31 de janeiro de 2012

Desafio: Os 61 km pelo Rio de Janeiro.


Semana passada encarei um grande desafio, isto mesmo! Mais um grande desafio físico, e desta vez, encarei uma 61 km de ciclismo pelo Rio de Janeiro. Primeiramente, contarei um pouco da minha relação com as bicicletas.

Quando eu era criança, no início da década de 80, ganhei uma Caloi do meu pai, um modelo para crianças, e com rodinhas e tudo. Foi nesta época que comecei a dar as primeiras pedaladas pelo Aterro do Flamengo.

Cresci, e como muitos sabem , obeso, mas com a mesma vontade de sempre, pedalando bastante. O que foi mais engraçado neste momento de perda de peso, foi subir na bike e achar que ela estava mais leve. Na verdade, não era bike, e sim eu, eu é que havia pedido peso, só que muitas vezes esquecendo disso.

Voltando ao desafio de semana passada, encarei uma pedalada extremamente pesada, foi uma volta pelo Rio de Janeiro, e graças ao bom condicionamento físico, deu tudo certo. O próximo desafio será atingir os 100 km.

É isso aí pessoal.

Que tal? Vamos pedalar?

Abraços.

Luis Henrique Marques.

3 de janeiro de 2012

Reportagem: Tomógrafo computadorizado para obesos começa a funcionar no Rio

Hospital Carlos Chagas tem o maior tomógrafo do tipo na rede pública. Antes do aparelho, obesos faziam exames em máquinas veterinárias.

O primeiro tomógrafo computadorizado para obesos começou a funcionar no Hospital estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, no subúrbio do Rio. É o maior tomógrafo desse tipo de toda a rede pública do Brasil e deve fazer cerca de dois mil exames por mês.

Cid Pitombo é o médico coordenador do programa de cirurgia bariátrica do Hospital Carlos Chagas. Com a tecnologia da videolaparoscopia, um sistema de pinças, grampos e câmeras, ele opera por ano cerca de 200 pacientes obesos, todos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em um hospital particular, a mesma cirurgia pode custar até R$ 100 mil. O novo tomógrafo suporta até 320 kg e tem o diâmetro 10 cm maior que o convencional. Antes, pacientes de 150 kg que precisavam fazer exames usavam um aparelho semelhante, mas de uso veterinário.


“A gente tinha duas opções: ou deslocava o paciente para algum lugar que pudesse sustentar o peso dele, e era um peso limitado aqui no Rio, no hospital que não tivesse um tomógrafo que sustentasse o peso do paciente, teria que fazer o ultrassom, ou exame físico do próprio médico, levariam a decisão sobre uma cirurgia, com algum tipo de procedimento”, explico o médico.


Sérgio e Rafael, pai e filho, fizeram a cirurgia em 2011. Eles disseram que o aparelho resgata a dignidade dos pacientes que têm problemas de peso.


“Para muitas pessoas é humilhante, você saber que aquilo é usado no veterinário, entendeu? Você passou por uma situação daquela, ter que passar por isso”, explicou o pai.


“Agora não, com esse aparelho lá, que suporta, se não me engano, 350 kg, aí é bem melhor”, disse o filho.

Sérgio foi operado em dezembro e já perdeu 15 kg. Rafael fez o procedimento em abril e perdeu mais de 50. Os dois continuam emagrecendo e fazendo novos planos.


“Antes, a roupa que me escolhia. Agora eu escolho a roupa que eu quero usar” contou Rafael.


“Tem essa possibilidade agora de poder acompanhá-lo, de fazer o que ele gosta, de fazer caminhada. Eu quero acompanhar ele e vou fazer”, revelou Sérgio.


No Hospital Carlos Chagas não há fila para fazer a cirurgia bariátrica. O paciente precisa ter uma indicação de um médico, de qualquer posto de saúde, que vai para a central de regulação de cirurgia bariátrica. Em seguida, será marcada uma consulta no próprio hospital, e, em média de três meses, o paciente já pode fazer a cirurgia.


Fonte:


http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/01/tomografo-computadorizado-para-obesos-comeca-funcionar-no-rio.html